• PARÂMETROS GERAIS
    Na etapa de floração com uma lupa podemos detetar os primórdios ou flores mais rápidas que dão passo a floração propriamente dita quando a planta alcance a fase adulta. A canábis é uma planta dioica, o que quer dizer que podemos dividir a planta em dois sexos: fêmea e macho. Quando se identifica uma planta macho deve-se eliminar a não ser que queiramos fazer as nossas próprias cruzas ou obter sementes em vez de flores, em tal caso deverás isolar a planta macho das fêmeas para que estas não se cheguem a polinizar.


     
    Planta masculina (A) Planta feminina (B)
    1) Flor com estames 5) Flores pistilhadas com brácteas
    2) Estame (antena e filamento) 6) Flores pistilhadas sem brácteas
    3) Estame 7) Ovário flor pistilhada
    4) Grãos de pólen  


     

    Como podemos observar na fotografia ambas as plantas têm flores, no caso da planta macho tende a mostrar as suas pré-flores em forma de pequenos sacos (estames) que se forma nos entrenós das plantas. Noutros casos já iniciada a floração numa planta fêmea não devemos confiar porque se descobrimos umas pequenas "bananas" que despontam na parte floral superior estamos perante uma variedade de flores masculinas que podem danificar a colheita, se isto ocorre podemos retirar essas "bananas" com umas pinças, mas se o problema continuar a melhor solução é tratar essa planta como um macho e corta-la para impedir que polinize as fêmeas. As flores femininas estão compostas por cabeças (agrupamento de pistilhos) e os pelos (estigmas) que sobressaem e podem ser de vários tons (brancos, laranja, azul).

     

    Durante o período de floração devemos mudar o fertilizante que usamos durante o crescimento, como vimos no post de crescimento vegetativo, este devia ser rico em nitrogénio, durante a floração convém usar um fertilizante de floração rico em fósforo e potássio para conseguir flores (cabeças) mais abundantes. Além disso, existem outros estimuladores de floração ricos em micronutrientes, fito-hormonas e quelatos que ajudam a melhorar as características organolépticas da planta: mais resina, potencial de sabor, melhor aroma e uma floração mais compacta.

     

    Floração Exterior
    Em alguns pontos da geografia o clima permite cultivar todo o ano, mas a maioria das vezes no hemisfério norte a floração começa a princípios ou fins de Julho, terminando entre meados ou final de Setembro. As espécies tipo indica costumam ter florações mais rápidas e algumas espécies sativas podem alargar a sua floração até meados ou final de Novembro.

    Para o controlo de pragas é melhor realizar um controlo prévio mediante inseticidas preventivos como o azeite de neem antes da floração ou justo no principio, para que estes não interfiram no sabor e na qualidade das nossas plantas.


    Como explicamos é importante ter em conta o modo no qual o clima pode afetar o desenvolvimento da nossa planta, por isso devemos pensar que a floração sucede no verão e em alguns lugares o calor pode ser mais extremo do que em outros, portanto em lugares que atinjam altas temperaturas devemos proteger as raízes das nossas plantas em vasos que sejam grandes e de cor branca ( vaso quadrado branco ou vaso redondo branco) para que absorvam menos calor ou usar smart pots para arejar a raiz e realizar uma poda natural das mesmas. Um truque é elevar um pouco o vaso do solo com uns pequenos calços e manter também alguma separação com paredes que emitam calor e não permitem correntes de ar naturais. As regas devemos realizar pela noite para evitar evaporação e para que a terra não aqueça em excesso, já que a água tem uma alta condutividade. Por outro lado temos que ter em conta que os meses de Setembro a Outubro são mais frescos mas mais propensos a chuvas, tormentas e ventos, para este feito devemos prevenir e sujeitar as plantas com cordas seja no solo ou a árvores, resguardadas do vento e da chuva já que esta última pode favorecer a aparição de bolores que apodrecem as flores.


    Floração interior
    As plantas são sexualmente adultas entre a quarta e a sexta semana de crescimento. Esse é o momento no qual devemos mudar o fotoperíodo de 18 a 12 horas para potenciar a floração. Vimos que algumas espécies sativas são mais lentas de floração, para ajudar a compactar a sua floração e evitar flores magras e espigadas durante as últimas semanas podemos aventurar-nos a reduzir a luz que recebem para 11 ou 10 horas. Conforme as flores vão ganhando forma devemos também reduzir a humidade ambiente num rácio entre 40 e 55%, aumentar a ventilação e manter uma temperatura ótima entre 26 e 27º para evitar bolores ou fungos que possam destruir a nossa colheita.

     

    Floração plantas automáticas
    A característica principal destas plantas é que são de tamanho mais pequeno e de floração mais rápida portanto as suas necessidades ainda sendo cultivadas em exterior ou interior são diferentes das plantas fotodependentes ou de ciclo clássico.

     

    Por isso, devemos usar um fertilizante específico para plantas automáticas já que a necessidade de nutrientes é mais baixa, mas se se usar um fertilizante clássico devemos usar uma dose mais baixa do que a sugerida pelo fabricante.

     

    Mitos e Lendas
    Criamos esta parte para discernir entre os mitos e as lendas que correm pela rede e que são falsos, sem fundamentos científicos e além disso perigosos para o nosso cultivo, feitos com toda a confiança podem deitar a perder grande parte da qualidade do nosso cultivo ou nos casos mais graves toda a colheita. Alguns deles são: "Arrancar folhas, não regar e danificar a planta fazendo cortes nas ramas ou caule" , não serve para mais do stressar a planta, debilita-la e reduzir a sua produção. As folhas são necessárias para a produção da clorofila e para que a planta esteja saudável e forte, é completamente falso que tirar as folhas faça com que as flores sejam maiores, o que ocorre é que ao desfolhar uma planta ocorre um efeito ótico que faz parecer que a flor é algo maior, mas não é mais que uma ilusão ótica. Estas más práticas afetam o rendimento da planta e a qualidade da erva. Não devemos confundir cortar uma planta ou partes dela com realizar uma poda que é um processo guiado.

     

    O que realmente nos deve preocupar é proporcionar uma alimentação e hidratação correta no cultivo do principio ao fim.