• Um clone é um fragmento do talo ou ramo da uma planta que queiramos cortar para fazer-lo enraizar e obter uma planta idêntica à primeira. Esta forma de reproduzir ou multiplicar uma planta é assexual porqueapenas necessitamos de um só progenitor, que normalmente será uma planta fêmea à qual chamaremos planta mãe. Se adquires os clones e tens dúvidas da sua procedência é importante dar-lhe(s) um banho de acaricida e fungicida antes de o transplantar.

    Material necessário para realizar clones:
    -Planta mãe (para principiantes é melhor começar com indicas ou variedades skunk)
    -Tijeras ou bisturi
    -Material asséptico e desinfetante (álcool e luvas de látex)
    -Substrato para enraizar (jiffy, tacos de lãna de roca, tacos de propagação)
    -Produtos que estimulem o aparecimento de raízes (https://thgrow.com/pt/blog/produtos/35-alternativas-ao-clonex.html)
    -Lâmpadas de baixo consumo se os clones se realizam em interior

    Realização

    Planear é fundamental porque devemos entender que o não planear pode ter consequências não desejadas, portanto devemos ter claro o porque de querermos clonar uma planta, seja pela sua produção ou rendimento, resistência, floração , aroma ou sabor. Temos que identificar na planta mãe que características são as que queremos manter e nunca realizar clones ao azar. Um exemplo de planeamento seria o seguinte: imaginai que temos 4 plantas de uma variedade especifica (Super Skunk) mas as plantas não são todas iguais, nem sabemos como se vão comportar no futuro, assim o que ia-mos fazer era realizar um par de clones de uma destas 4 plantas antes que a planta floresça e guardar-los (deixar-los crescer sem chegar a florescer com uma lâmpada suave a mais de 18 horas) anotando a que planta mãe pertencem (planta 1 – clones A e B; planta 2 - clones C e D …) Enquanto as nossas plantas vão florescer e será então quando veremos qual das 4 é a ideal para clones, já que sendo todas da mesma variedade alguma pode ser mais débil, outra menos abundante, outra menos resistente a pragas … etc … e elegeremos a que cumpra as nossas expectativas, que se neste caso é a planta 3 ficaremos apenas com os clones 3E e 3F e o resto descartamos. E as plantas 3E e 3F iremos multiplicar antes que floresçam sempre que quisermos. É certo que se perde um pouco mais de tempo, quase dois meses, mas asseguramos que vamos clonar as melhores genéticas e que não perdemos tempo e dinheiro a clonar plantas débeis ou pouco resistentes a pragas ou ao hermafroditismo.

     

    O dia anterior a fazer os clones é conveniente regar e hidratar abundantemente a planta. No dia seguinte lava bem as mãos e coloca umas boas luvas de látex e de seguida desinfeta as tesouras ou bisturi que vás a usar com álcool de farmácia. O melhor é fazer os clones cortando as ramas mais jovens e da parte mais baixa da planta porque a probabilidade de êxito é maior ao ter uma maior quantidade de hormonas enraizantes nessa altura da planta. O corte realizaremos o mais limpo possível e é recomendado com o bisturi realizar umas pequenas incisões na pele do talo depois de cortar, assim quando molharmos o talo na hormona, esta penetrará melhor.


    Uma vez cortado o clone pomos-lo de molho em água durante o mínimo de 8 ou 10 horas, de seguida sacudimos a água e introduzimos 1 cm do talo pela sua base na hormona de enraizamento (clonex), procurando aplicar uma capa fina de produto, por este motivo recomendamos o uso de hormonas em gel já que a quantidade que adere será a mais ajustada.

    A seguir, realizaremos um corte na própria lã de rocha e introduzimos com suavidade o clone, envolvendo-o com a lã para evitar que a hormona se perca que é o que ocorre quando cravamos o clone como se fosse um pau. A lã de rocha como substrato é a melhor opção porque é estéril e evitaremos a contaminação da terra, o aparecimento de bichos, etc.

    Um clone até que desenvolva as raízes pode necessitar entre 3 e 15 dias e precisa de umas condições especiais, muita humidade (cerca de 90%), uma luz continua suave tipo lâmpada cflleds ou lâmpada de halogeneto metálico (hm) de baixa potência e uma temperatura entre 19º e 25º, por este motivo recomendamos o uso propagadores. Estes três parâmetros são essenciais para a sobrevivência. Enquanto o clone careça de raízes tem que ser alimentado por via foliar um par de vezes ao dia realizando pulverizações   sobre as suas folhas com um fertilizante foliar como por exemplo: algamic. Se durante este processo observarmos desidratação ou que as folhes se sequem, podemos cortar as pontas das folhas.

    Quando aparecer a raiz trataremos o nosso clone como uma planta normal, regando-la, fertilizando e cultivando como tal.